Cenas que me enervam #1

Acredito que este vá ser o primeiro post de muitos inseridos neste tópico. Para o inaugurar começo com – vizinhos barulhentos.

Durante 21 anos vivi numa área de praia completamente calma onde de dia se ouvem passarinhos, à noite ouvem-se grilos. Se havia barulho era porque havia alguma festa nessa altura do ano ou algum vizinho estáva a dar uma. Ponto final. E acontecia uma ou duas vezes por ano.

Desde que comecei nesta aventura de sair de casa dos pais parece que está tudo contra a minha sanidade mental (que já não era assim tanta, diga-se). Primeiro fui viver para Alfama (má escolha, eu sei!) para uma casa-cave onde o espaço que sepárava a minha cabeça do tecto era menos de um metro. Para animar ainda mais a coisa, o vizinho de cima além de estar em casa todo o dia, sair à noite e vir só à 1h da manhã, levava uma “senhora” para dar asos à sua “macheza”. Qual coelho qual quê, aquilo era de manhã, era à tarde e era à hora que ele chegava do trabalho. Era todo o dia, era a toda a hora. Adormecia-se com gemidos, o mais provável era acordar com gemidos. E parecia que estáva ao nosso lado. Um horror.

Chamei a polícia depois de tentativas frustradas de o fazer entender que se ouvia tudo cá em baixo. Após alguns meses e já depois de ter saído de Alfama, vim viver para o Norte.

Pois bem, os vizinhos de cima já não primavam pelo silêncio, ouvindo-se discussões muito acesas a partir da meia-noite. Mas ontem, ontem foi o descalabre total. Fui dormir por volta da meia-noite e acordo às 4h da manhã com música nas alturas e com pessoas a falar (acho que é sempre o mesmo a falar sozinho mas não tenho como comprovar). Deste senhor tenho receio. Nunca o vi, não sei quem é. Mas após ouvi-lo discutir com “alguém”, parece-me ser uma pessoa agressiva então utilizei todos os meios ao meu dispor – vassouras no tecto, por exemplo. Sem efeito. Não ouvia. Decidi bater a porta com toda a força. Gritou comigo em tom ameaçador. Disse-lhe que iria chamar a polícia. Ele não acreditou. Chamei.

A polícia veio, mandou-o desligar o som (eram 5h da manhã a esta altura) e ele lá acarretou as ordens depois de resmungar.

Será que estou destinada a ter vizinhos que não sabem respeitar o próximo? E outros que não dizem nada – sim, porque somos 6 neste prédio. Uma maravilha.


Advertisements